VEJA VÍDEOS NO FINAL DA PÁGINA - VEJA VÍDEOS NO FINAL DA PÁGINA - VEJA VÍDEOS NO FINAL DA PÁGINA -VEJA VÍDEOS NO FINAL DA PÁGINA - VEJA VÍDEOS NO FINAL DA PÁGINA

sábado, 22 de Novembro de 2014

SERVE A QUALQUER "CARTAXANA" AVENÇADO!

Cartaxana, o patusco dos patuscos
  
Não sou advogado de defesa de Luís Filipe Vieira, sou benfiquista. Luís Filipe Vieira é o Presidente do Benfica, representa o Benfica, é símbolo do Benfica, enquanto seu Presidente. Ofensa ao Presidente do Benfica, em especial quando ele actua nessa qualidade, é ofensa ao meu Benfiquismo, ao meu Benfica, que ele, enquanto Presidente, encarna.
Não sei se Luís Filipe Vieira é amante de patuscadas, nem vem daí (ser ou não ser), apenas por isso, qualquer mal ao mundo, qualquer acréscimo de honra ou desonra. Sei, todavia, que, enquanto Presidente do Benfica, gosta de convívio, de convívio são e fervoroso com a Família Benfiquista, ora aqui, ora ali. E isso me encanta, enquanto Benfiquista.
Não creio que Luís Filipe Vieira seja extravagante, fala por si a sua vida de triunfo. Poderá ser cómico ou brincalhão, tanto quanto o é qualquer pessoa. O que sei é que, enquanto Presidente do Benfica, não é ridículo. Ridículo é o Senhor Cartaxana. O Senhor Cartaxana que, se alguma vez se tivesse mirado ao espelho, mirado com olhos de ver, não teria tido necessidade de “comentar” o aspecto de mais ninguém a não ser a da imagem que mirava. E muito menos se atreveria a comentar a maneira como alguém se veste ou aquilo que veste.
Ser ou não ser “patusco” não é, pois, em princípio, nada que mereça muita perda de tempo. Mas o Senhor Cartaxana não quis brincar, quis apoucar. E, então, quem se tornou mesmo “patusco”, “patusco” ridiculamente quanto baste, foi o Senhor Cartaxana.

Nem Luís Filipe Vieira, Presidente do Benfica, nem qualquer Benfiquista, teve em mente, um instante sequer, empurrar alguém para a falência, jornais, rádios ou televisões e, em especial, o jornal que agora dá guarida aos “escritos” do Senhor Cartaxana. Não só porque a alguns daqueles pouco lhes falta para se verem em tal situação económica, sem necessidade de qualquer empurrão estranho, como, principalmente, porque, infelizmente, seria cada vez mais penoso ver uma boina acrescida, estendida à porta de um qualquer mercado, igreja ou capela, dos muitos e muitas espalhados por esse Portugal.

Quem se pretende considerar jornalista e, mais do que isso, fazedor de opiniões, dá uma imagem de extrema pobreza porque não é minimamente capaz de alinhavar uma crítica e apenas consegue entrar no insulto e no apoucamento. Por isso, na falência da capacidade para conseguir qualquer escrito que se veja, parece estar já o Senhor Cartaxana, como o demonstra a (aparente) predilecção actual do mero “cortar na casaca”, embora nem sequer consiga fazer inveja a quem o nosso povo tradicionalmente relaciona com tal ocupação.

Quanto a nós, Benfiquistas, creio não ser exagerado afirmar que todos desejaríamos precisamente isso. Ter um jornal diário, uma rádio, uma televisão, que presenteasse a enorme família benfiquista com todas as notícias, verdadeiras, acerca da via do nosso Benfica e do mundo desportivo em geral.
Para poder auxiliar o Senhor Cartaxana, se maior desgraça lhe batesse à porta!

(do "Arquivo Especial")

 NOTA: Os textos transcritos do "Arquivo Especial" (alguns publicados à algum tempo e não perdendo actualidade) provêm de autores diversos e fruto de pesquisas efectuadas em blogs, forums, jornais, magazines etc..

sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

TRAPALHADAS DO TRAPALHÃO



MIGUEL, O TRAPALHÃO

 

Miguel, em sua “nortada”

É um ginete pingão

Só tem pena chocarreira

Numa escrita tresloucada

Tal e qual um rezingão

Conhecido de ginjeira.

                                                                                                       Se lhe falam do apito

              Torna-se um traste gingão

               Um vidente Borda d’Água  

Vieira, é o maldito

    O “papa”,  o aldrabão

      O triste, é o Mortágua

 

Por vezes, em falha insana,

Seu “papa”, diz, provinciano

Só com gente pequenina

Daquela gente safardana

Mas seu “papa”, um vilano,

Rejubila com a gente canina

 

  De cronista farrampilho

  Dá-se ares de onzeneiro

     Num bigodear de sandice

Farrapão e maltrapilho

           Esquece o “papa” burriqueiro

                O mestre da desportiva batotice

 

Pode bem escoucinhar

Mas lá tem sua pandilha

A verdade atraiçoado

Com apitos a roubar.

Seu clube é bigorrilha


Seu papa, um condenado!                                                                                                                                                                                                                                                                                                  (do Arquivo Especial)



quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

DO ARQUIVO ESPECIAL

NOTA:Prosseguimos a transcrição de textos (embora escritos à algum tempo não perdem actualidade) cujas fontes provêm de pesquisas e leituras efectuadas em blogs, forums, jornais, magazines etc., fazendo parte de um arquivo criado à algum tempo e propositadamente para o efeito: O ARQUIVO ESPECIAL

O PAPA” DA BATOTA DESPORTIVA

Rezingas em tuas ganas
Odiento e rameloso
Pacóvio-mor de ratazanas
Velho, sandeu e mafioso.

És um "papa" batoteiro
Um sacana e um ranhoso
Mentes ao Papa verdadeiro,
Velho, sandeu e mafioso.

Rogas à Justiça Divina
Sendo um traste rancoroso
Mas está escrita tua sina
Velho, sandeu e mafioso.

Jurador de pacotilha
És bufão, um peidoso
A amásia, na mentira, uma filha
Velho, sandeu e mafioso.

És reles e trapaceiro
Faz-te azia o Glorioso
Da trapaça o "engenheiro"
Velho, sandeu e mafioso.

Procura-se o camaleão
É um trabalho penoso 
Que, senil cara de cão,
Para ele não é custoso


Dar à perna, ser fujão
Bufarolas mentiroso
Até pr'ó Papa aldrabão
Velho, sandeu e mafioso.

segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

PASSAR SEM ELES? IMPOSSÍVEL!!!






Não se pode passar sem eles!

O que seria da blogsfera sem eles? Seria monótono, sem piada!

Sim, refiro-me aos ignorantes.

Aos bastardo-talibans, aos corruptos diplomados, chulos da caneta, etc..

Já imaginaram, por exemplo, um NGB, sem um “Arturinho Cangado” a dobrar a cerviz  e a abrir o traseiro para que o “movimento” lhe deposite as “ordens do dia” a divulgar?

Já imaginaram o mesmo  Arturinho sem o contra-peso  Shadows,  a “prostituta de serviço “ nos intervalos em que as “ordens do dia” demoram um pouco mais a serem elaboradas?

Já pensaram passar um dia sem os orgasmos “poéticos” de uma Ricardette em tempo de cio?

E que dizer de uma ausência prolongada de um Fernando bola-de-sêbo, aliás ,  Vitto Vendetta  que, em cada bacorada, não passa uma única vêz sem  colocar “o pai da humanidade” na boca,? Vícios!

Sousa Tavares, Luís Sobral, Claúdia Lopes, Manuel Serrão e outros prostitutos encartados, não podemos também passar sem eles.

O que seria do nosso entertenimento, do nosso escape de stress, da nossa gargalhada de desintoxicação?

Seria um desastre apocalíptico  sem esta gentalha na blogsfera.

Um tédio!

Por isso, não podemos passar sem eles.

Desapareceriam os comentários  (os que passam e os que são apagados) que lhes machucam a corneta,  bem como a possibilidade de lhes chamar chulos, mercenários, FDGP, etc. !

E eu, em momentos de desinspiração ou escassêz de tempo, não estaria aqui a chamar os bois pelos nomes, apenas em duas linhas mal alinhavadas.


É por isso que não podemos passar sem eles!

domingo, 16 de Novembro de 2014

NUNO SANTOS??? A FAMA JÁ VEM DE LONGE!

Toda a gente, em especial os benfiquistas, conhecem o especialista da mentira, Nuno Santos. 

Diáriamente e quando toca a falar do Benfica, é um ver se te avias, no exercício da sua execrável especialidade.

Mas não é de agora. 
Na verdade, a fama já vem de longe, desde que se converteu em mercenário, lambe botas, chulo da mentira, escravo da submissão.

A comprovar essa mesma fama, o nosso  Arquivo Especial, foi "desenterrar" uma crónica com mais de uma dezena de anos, que certifica a prática de tão grotesca "especialidade" do andarilho Nuno Santos:

"As verdades de Nuno Santos
Tendo o Sr. Nuno Santos uma opinião tão lisonjeadora, de tão grande admiração pelo jogador do Benfica, Nuno Gomes - quanto mais não fosse, via-se pelo qualificativo com que presenteou o “goleador do último Europeu” - parece a coisa mais natural que este goleador “acidental” dele tivesse feito seu “confidente”.
Daí que se compreenda que Nuno Santos, apesar de referir “toda a gente”, se tenha considerado de fora desse seu avantajado magote de pessoas e não “embarcasse na onda”, pois ... “estava-se mesmo a ver” !...
Daí que igualmente bem se compreenda que Nuno Santos saiba, e muito bem, que Nuno Gomes “não se sentia bem na Luz, nem acreditava na equipa”!...

Nuno Gomes é que deve ter ficado com as orelhas bem a arder, que o seu “confidente” veio à praça pública - perdão, à praça “on line” - chamar-lhe um “mentiroso de todo o tamanho”, não se lembrando daquelas suas, de Nuno Gomes, pequenas frases que deixou, também publicamente, expressas (“in a bola on line”, de 17.07.00, e “mais futebol on line”, de 16.07.00), pelas quais afirmava que “se sentia bem no Benfica” e que “é com pena que deixo o Benfica”...
Mas Nuno Santos parece ser assim! De tão amigo da verdade que é, nem se lembrou de que o seu “confidente” podia ser publicamente apanhado com “a boca na botija”! Acresce que, por obra e graça de Nuno Santos, “toda a gente”, que não ele, poderia ficar sem saber quem é que fala verdade ... o que só não acontece porque ... “está-se mesmo a ver”!...

Veja-se ainda como Nuno Santos é perspicaz que consegue vislumbrar a “indisfarçável distância” que Nuno Gomes “mostrava” - mas não patenteava, porque, assim, “toda a gente” teria visto, e Nuno Santos não teria qualquer mérito ... - enquanto “era aclamado pela populaça” de que, Nuno Santos, naturalmente não fazia parte! E ainda bem, se não para ele, pelo menos para a “populaça”, que, deste modo, não sentiu o seu ego ofendido!...
Nuno Gomes, ou muda de cara, ou então está tramado!...

Nuno Santos é, de facto, um “confidente” terrível que, ainda e sempre por amor à verdade, não se cansa nunca de desmentir, sempre que está em causa esse rigor à sua virtude! Vejam que andávamos todos - “toda a gente”! - a ser enganados pelos jornais e outros “media”, pois é público que, pelo menos, a grande maioria destes se fartou de dar publicidade sobre vários pretendentes. Se não se falta à verdade, e corre-se sempre um grande risco, ficou na retina a publicidade reiterada sobre uma oferta de três milhões e oitocentos mil contos de um clube inglês, salvo o erro, o Aston Vila. Afinal, inexistiam “rivais à altura”!...
Desta vez, quem deve ter ficado com as orelhas a arder foram os vários jornalistas e jornais que deram aquelas notícias!

O rigor entranhado pela verdade leva ainda Nuno Santos a não permitir que Vale e Azevedo minta! E nem sequer, de novo, os seus colegas jornalistas e os jornais, que andavam para aí a afirmar que a cláusula de rescisão de Nuno Gomes era de três milhões e duzentos mil contos.
Para Nuno Santos, ela “situava-se na casa dos três milhões”! ...
E não se divague porque, “casa dos três milhões” deve ser, para Nuno Santos, três milhões mesmo! Se assim não fosse, se a expressão, “casa dos três milhões” pudesse ser entendida em sentido mais lato, então poderiam lá caber até ... três milhões, novecentos e noventa e nove mil, novecentos e noventa e nove contos ... e mais alguns “trocados” ainda!... Só que, se assim fosse, então Vale e Azevedo não seria, para Nuno Santos, mentiroso! E Vale e Azevedo quer que se acredite que a Fiorentina pagou ... “quase quatro milhões de contos” ... e Nuno Santos nem pensar!...

Por fim, resta ainda agradecer a Nuno Santos os “preciosos” conselhos e alertas contra a desgraça que ele dá aos benfiquistas! Nuno Gomes certamente que lhe agradecerá os que lhe destinou! E Jupp Heynckes deverá tornar-se “mais prudente”, deixando de se prestar doravante a “uma triste figura”!

sábado, 15 de Novembro de 2014

HUMILDADE FEITA DEDICAÇÃO!


UMA VIDA QUE SE APAGA...UM EXEMPLO QUE PERDURARÁ!


Faleceu José Luís, roupeiro da equipa de Futebol profissional

Faleceu, na tarde desta sexta-feira, aos 74 anos, José Luís Vaz, colaborador que serviu, como roupeiro, a equipa de Futebol profissional do Sport Lisboa e Benfica, durante cinco décadas.

À família enlutada de um homem que, nos bastidores, soube sempre servir o Sport Lisboa e Benfica com dedicação e paixão, o Clube endereça as mais sentidas condolências.

A NOSSA HOMENAGEM COM SENTIDAS CONDOLÊNCIAS!

DESCANSA EM PÁZ, SR. ZÉ LUÍS!



sexta-feira, 14 de Novembro de 2014

quarta-feira, 12 de Novembro de 2014

PRODUÇÕES PINTO-HOLLYWOODESCAS

  
FILME DE LONGA METRAGEM

1ª PARTE
2ª PARTE
  

FIM     
SATISFAÇÃO PELO "ÊXITO" ALCANÇADO


OUTRAS PRODUÇÕES:

O BANDIDO ABEL

A BESTA ALVES



O CASO ASSUNÇÃO


JORNALISTA DA TVI 


ÚLTIMA PRODUÇÃO: TOZÉ APERTADO



P.S.- OUTRAS PRODUÇÕES...SEGUEM DENTRO DE MOMENTOS.

segunda-feira, 10 de Novembro de 2014

ISTO É QUE VAI UMA CRISE...!!!

OS PARDIEIROS ESTÃO ÀS MOSCAS...


NEM DE GRAÇA OS "APAFES" QUEREM LÁ IR...MESMO COM ORDENADOS EM ATRASO!

ALGUÉM SABE EXPLICAR???

sábado, 8 de Novembro de 2014

RAZÕES DE SOBRA...


OUTRAS RAZÕES




NÃO SÃO RAZÕES DE SOBRA?

sexta-feira, 7 de Novembro de 2014

O ADN NÃO ENGANA

Com cunho próprio!

Bem à imagem do chefe. 

Não o Macaco! O outro!

Ladrões, (o ADN não engana) salteadores, bandidos da pior estirpe, conhecidos e reconhecidos de outras "visitas".

A marca registada corrupta! 

Dentro e fora do campo. Na Comunicação Social.

Na APAF! Na Liga! Na Federação!

Enfim...o único caso em que o crime compensa!

E a Justiça...espera aí que vou mijar...na Justiça!


VANDALISMO

Los aficionados del Oporto ´la lían´ en Salamanca

De camino a Bilbao protagonizaron varios hurtos y enfrentamientos con los empleados de estaciones de servicio y restaurantes: "Son como Atila"

06.11.2014 | 11:11
Estación de servicio La Pedresina II. | Casamar
Estación de servicio La Pedresina II. | Casamar
 Los aficionados del Oporto que este miércoles se desplazaron a Bilbao para presenciar el partido de su equipo contra el Athletic, sembraron el pánico a su paso por Salamanca y protagonizaron una cadena de incidentes en algunas de las estaciones de servicio y restaurantes más cercanas a la frontera de Fuentes de Oñoro.
En torno a las 7:00 de la mañana comenzaron su ‘tour’ de altercados en la estación de La Pedresina II, donde robaron algunos productos de la tienda y amedrentaron al encargadocuando les intentó echar el alto. “Por desgracia ya son viejos conocidos nuestros. Entran como Atila y por eso siempre que pasan cerramos el local y no les dejamos entrar para evitar problemas, pero nos han pillado por sorpresa y se nos han metido. Habían hurtado y al salir ha pitado el detector. El empleado les ha llamado la atención y entonces le han rodeado, le han empujado... No ha sido más grave porque no han querido”, comenta uno de los empleados.
Tras dejar huella en Fuentes de Oñoro han recorrido su camino hacia Sancti Spiritus y allí han hecho una primera parada en el Restaurante Europa, donde han entrado hasta un comedor y han robado botellas del interior de una nevera. “Llamamos a la Guardia Civil, pero no hemos querido denunciar porque por unos euros no nos merecen la pena esos jaleos, pero ya están avisados para que estén atentos esta noche (por ayer) para cuando regresen”, relataban en el restaurante. Dentro de Sancti Spiritus protagonizaron otro incidente en la estación de servicio del polígono industrial, donde aficionados de un primer bus también han robado, mientras que los siguientes lanzaron objetos al cristal cuando se les prohibió la entrada. “Paró un bus y bajaron dos o tres, pero luego entraron todos de golpe y se metían para los bolsillos bollos, patatas... y se marcharon. El primer bus robó lo que quiso, pero cuando vino el siguiente ya estábamos al tanto y les cerramos la puerta, así que se cabrearon y empezaron a poner pegatinas y lanzar algo”. Al parecer, lanzaron una de las botellas que habían robado en el restaurante anterior. Los responsables de seguridad de la frontera esperaban que los autobuses entrarían por Zamora, pero a última hora cambiaron de opinión y lo hicieron por Salamanca, generando estos altercados.

quinta-feira, 6 de Novembro de 2014

O MURO DA VERGONHA AZEVEDISTA (Arquivo Especial)

O muro da pranteação


Não é feito de pedra ou cimento, mas de penedos, pedradas e traulitadas a preceito! É um certo local dos de virtuais “line’s” em “on’s”! Do mui Glorioso o nome retirado e dos “adeptos” auto intitulado! Mas não daquele nem destes que deles só seria vergonha!
É o éden de penados ditos, baptizados e rebaptizados benfiquistas, auto e inter comiserados, órfãos inconsolados do seu D. Sebastião, despachado que ele foi no seu Alcácer Quibir pelo grito impante e incendiado do nobre peito democrático da águia altaneira e sempre insubmissa!

«Mas que raios e coriscos a haviam logo de tomar para tão fremente insubordinação e, de bicada ferocíssima, assim repelir sem contemplatitudes quaisquer tão idolatrado mago por ela esconjurado?! Sem dó nem piedade, vai de lançar em tal pranteação tais afeiçoamentos de fidelíssimos prosélitos!»

Nem tudo se perdeu! Salve-se o desabrochar do idílico paraíso “netista”, tornado disponível à sua infinda carpidura!
Lá se pranteiam eles em auto e inter mortificaduras e se sublimam em suas amargurações! Lá fazem gozaduras e disfrutações das suas auto e inter flageladuras martirológicas, de enjoadiço masoquismo sadicista impregnadas! Lá auto e inter se deleitam em suas carpiduras pungentes! Lá auto e inter juramentam suas esperanceiras num “além” de glorificaduras com seu D. Sebastião regressado, em manto nevoento, das amargureiras actuais, com auto e inter avivações de esperançosice no seu circuito cerrado!

«Também, quem mais lhes valera! ...»

E, assim, não deixam definhar seu choradiço desalentoso! E vão depositando sua sebastiânica crendice nesse seu nevoento “além”, que o seu porfiado pungimento auto e inter flageloso será redimiroso sacrossanto da sua por eles tão desejada – e estafada! ... e enjoativa! ... – quão sonhada e quimericosa ressureição final!

«Querem disfrutar?! É só dar uma miradela ali ao lado e navegar por tantas e tão profusas escrevinhaduras, de auto proclamentadas subidas belezuras! Há até os que – os “cabos” seitistas, naturalmente, que as soldaduras rasantes a tanto não se atrevem! ... - botam falação de mui constante subidura de prenhada niveladura!
Numa rasquice definhenta, imagine-se! ...»

Enfermiços de azevedite agudaçada – e, ao que bem parece, de sofrideira croniquenta ensopada – pseudo sublimados de benfiquismo não sentido nem vivido e sempre sonegado na sua idolátrica confusionice do, “ser benfiquista é ser azevedista”, vão apregoando, com clamoroso ofendimento ressabiado, a vilanidade da condenação do seu ajuramentado e transcendental inocentismo! E não só, desenganem-se, até ao seu tão almejado julgamento pelos humanóides tribunalícios! Que estes, ou botam inocentidade imaculosa em tão idolátrico ídolo, ou há absoluteza de satanidade promíscua, em mercês aos odientos satanazes!
Porém, em viração mais celérrima do que luz de doce sol em tempo de invernação – o qual, de resto, em perfeita ingratitude, insiste em iluminar tanto os deuses da suprema e azevedista revelação salvatérica, e seus fidelíssimos serventuários, como os abomináveis tribunos da plebe dos apóstatas habitadores das trevas – ei-los em julgações e condenamentos - mais sumaríssimos do que a própria sumição! - dos sacrilentos da sacrossantitude da sua seita e respectivo pontífice supremo!
É cá uma resposta de prontitude luminária tal, que só encontra eco a condizer na sua costumeira profissionalidade, reflectitude de estrutural incapacitude endémica!

Fantasiadas, congeminências, devaneações, cismações, sonhamentos, delirações, processos de intencionice a esmo, tudo a gosto, sempre direccionados e enjoativos, são a única suportação das tão sublimadas certitudes dos seus ajuizamentos ressumados de infalitismo! Que o seu “papa” é o dogma da suprema virtuosidade da sua crendura, quer na defesa das suas benzeduras dogmatícias – de virtualitismos, não de factualitismos, feitas! – quer nas auto e inter renovadas juramentações de esperançoso e quimericoso triunfo no dia do seu redentoroso “juízo final”!
Tendo sempre à mão um tal intitulado mordomeiro daquelas “line’s” em “on’s”, de libré e sobrepeliz, serviçal em abundância que baste, prestamista no ressalvar do eco dos seus paredões e do reflexo dos seus espelhos, aqueles e estes, como convém, em paralelo, ressoadores e reflectores do auto e inter miserabilismo e pungentismo mortifiquento da casa!

«Que desperdiçoso aproveitamento das terras de Sua Magestade! ...»

Discípulos há que, rememorando sua orfandade tristonhenta, aplaudem mesmo as critiquetas de não benfiquistas, tão só interessados em apoucar o Benfica! E apresentam-nas como mais um baluarte dos seus dogmatismos luminários e virtuadélicos! Aqueles, todos sabemos que não são benfiquistas! Estes, dizem-se benfiquistas mas não defendem o Benfica! Atacam-no em lancinantes e balsâmicas laudatéricas à sua agudaçada azevedite!
Por exemplo, os sócios não acorreram assim tanto, dizia-se na croniqueta! ... Só que compraram ... 6,2 milhões de contos, números redondos! E foram 24374 os sócios que subscreveram acções e se tornaram accionistas! Os do croniqueiro Santanista – vá lá, não confundiram ... ou teriam arriado giga! – ficaram-se apenas pelos 9 mil! E só subscreveram a ridicularia de 1,840 milhões de contos! ...
O capital da SAD benfiquista não se disseminou assim tanto, acrescenta o croniqueiro! ... São só 51746 novos accionistas de um total de 53990 que subscreveram acções! Na SAD do croniquento clube, agora tão abençoado e involucrizado em boas benzeduras por um azevedismo órfão de Azevedo, apenas 9326 no total, inferior mesmo aos dos seus confrades mais a norte! Nem à quinta parte chegaram! ...

E que dizer daquela dezena de “satãs” que ousaram ajudar o seu Benfica contra a vontade deste azevedismo lamuriento e confrangedor?! Por que Vale e Azevedo não seguiu a receita que receitou aos outros?! Porque o “seu” projecto era “dinheiro em caixa” e este não?!

«Risíveis estas tiradas! ... E, depois, têm muitas penaduras dos que investiram! ...
Deixem lá os rotulados de tanseiros por vossas iluminúrias! ... Não precisam de ter tantas piaduras, que eles não vos fizeram encomendaduras! ... Afinal só o seu "plim plim" arriscam, conquanto em perdeduras certas, segundo tamanhas certitudes prenhadas de profetizaduras! ...
Ou faz moradura para aí alguma dorzeca cotoveleira?! ...»

Este miserabilismo é canhestro! Tudo estava bem se fosse um homem – o homem deles! – que sozinho detivesse uma fatia considerável! Tudo está mal quando, não um, mas alguns outros benfiquistas apostam no seu clube! E em quantia menos significativa! ...

«É para as comezainas, dizem com aquela certitude que só o santitismo da crença azevediana torna prenhada de iluminúrias!» ...

E as ajuramentações de fidelíssima costumeira depois do triunfo da subscrição e da natural malogreira das improviduras tribunalícias, prenhes de perdeduras?! ... Que esforçadeira para tapar a saga frustradiça, quais madalenas das arrependiduras do baqueamento de suas intentonadas ciumeiras! ...
Que parada tão comiqueira! ...

E a sua polemiquice acerca do estádio?! Bastava que o seu sebastiânico "papa" dissesse que estava de acordo com construção para que todos os seus fidelíssimos discípulos se atropelassem nas ajuramentações mais estridentosas do mesmo, num coro de afinaduras singulares! E malhar – e rotular com os mimos do costume! – nos que ousassem opositura! Assim, é vê-los na tristura dos seus aliamentos e das suas vozeiradas pungentosas de apelamentos a Martins que tanto malhotou na antiguidade contra o seu “papa” do infalitismo!
Porque eles não defendem projectos ou ideias, só aderem à ordem do chefe! Que não justificou minimamente a sua posição! Ou melhor, pretendeu ingloriamente justificá-la com argumentos do coração! Quem, durante a sua pontificadura, bradou em fartadura com argumentos da razão para se justificar, imaginem! ... Em especial em relação à sua SAD! ...
Mas, para discípulo ordeiroso, nunca o chefe podia ser enganoso!

Há os que, em pintureiras de guerra, imaginosos são na sua berradura do “abaixo a corrupção”! ... Fazem bem, embora seja uma corrupção virtual que apresentam nas suas apregoadeiras, atento o seu horror ao dogmatismo factualitista! Ou melhor, o seu horror aos factos da realidade e a sua benzedura à ficção devaneante! O seu problema é se vier a ser o seu mentor o condenado! Porém, “dura lex, sed lex”, passe a satanidade do dito! ...
E dá cá umas gostosuras verificar aqueles seus escrevinhados onde se brada ... «comigo um contrato é para cumprir!» ! ... E dizia-se tanto mal dos outros quando eles – algo conspurcadamente também, é certo - apalavravam que era o seu “papa” que ... « rasgava os contratos»! ... E prestam-lhe adoraduras e santificaduras em barda! ...

Quando uma das vozes - que se deixou ficar distraidamente um pouco mais atenta só a uma mera realidade e, fora da quadratura pranteadora, olvidou por instantes a virtualidade mirabolante do seu “muro da pranteação” – quando uma das vozes, dizia-se, regressa com uma pequena brecha na sua armadura engravidanhada de benzeduras da azevedite sacrossantista («será que não somos apenas nós que estamos errados, pergunta-se ela, duvidosa?!») é comovedurente ver um tão talentoso afã dos seus irmanados, em esforçadura avidez para expulsar os satanazes que, por momentos apenas, conspurcalharam o espírito infalitista do seu condiscípulo! E, açambarcando-se da sua travessura, só o largam quando bem catecatizado de novo e exorcizadas todas as suas infiéis inclinaduras. Só depois de novamente purificado com o santitismo azevedista, prenhado de mais benzeduras, pode ir em paz com o espírito preparado ao excomungamento de toda a maleitosa intentonada sataniquenta!


«E bem aventurado o “muro da pranteação” pela sua sacrossanta parição de tão prestimentosos discípulos que no sei seio germina e acolhe!» 

quarta-feira, 5 de Novembro de 2014

VESGOS, PALERMAS E BÊBADOS

Decididamente, José Nuno Martins, o Director de "O BENFICA", não tem papas na língua, nem medo de vesgos, bêbados e palermas. 
Aliás, até chama os bois pelos nomes.

Nem se deu ao trabalho de escrever, fê-lo de viva vóz.

Em directo!

E com imagem!


"José Nuno Martins, diretor do jornal “O Benfica”, referiu-se esta terça-feira a Bruno de Carvalho como “um palerma”. Tudo aconteceu durante o espaço “Benfica 10 Horas”, transmitido em direto pela BTV, em que o responsável faz comentários sobre a atualidade do futebol português. “Falávamos da capacidade fora de comum de um homem como Luís Filipe Vieira e basta comparar com este palerma e os disparates que diz”, afirmou, referindo-se às críticas feitas pelo presidente do Sporting aos seus jogadores.

Mas os ataques não se ficaram por Bruno de Carvalho. Rogério Alves, ex-presidente da Mesa da AG da SAD leonina, também não escapou às críticas, devido aos comentários proferidos na véspera na SIC. “Ou ele estava bêbedo, porque o programa é depois do jantar... Como é que ele pode iludir uma evidência?”, questionou, referindo-se à análise do fora-de-jogo que levou à anulação de um golo ao Rio Ave frente ao Benfica. Diamantino, antigo capitão do clube da Luz, também esteve sob o fogo de José Nuno Martins devido a algumas críticas recentes às opções de Jorge Jesus. “Isso é um artista...!”, atirou, quando confrontado com uma pergunta de um telespectador. “[Diamantino] gosta de cuspir no prato da sopa que comeu. Não se cala e é depois convidado para vir à Benfica TV. Isso é que me enerva!”, disse, acrescentando que o antigo craque “faz pouco de Jorge Jesus”.

Foi a vez dos artistas-vesgos, bêbados e palermas. Quem segue?

Não se ponham a pau os outros "artistas"...não...não tenham ilusões... não me refiro aos bastardo-talibans, porque esses são tão minúsculos, tão insignificantes, tão rasteirinhos, que se alojam no fundo das sanitas desta vesgo-palermice-bebedolas. Refiro-me, sim, a Gangster da Costa e respectiva quadrilha de prostituto-escrevinhadores e chulo-opinadores do tipo, MST.

E há outros que podem vir disfarçados...mesmo de vermelho.

A receita, certamente, seria a mesma!

Poderia José Numo Martins, periódicamente, ocupar um espaço na grelha da nossa Benfica TV , com um programa específico: "O Senhor que se Segue?"

Fica a sugestão.