QUANDO O ESPÍRITO BENFIQUISTA PREVALECE, NÃO HÁ DERROTA, CORRUPTO, MERCENÁRIO OU ARRUACEIRO QUE O CONSIGA APAGAR OU FAZER REGREDIR.
BENFIQUISMO É ESTADO DE ALMA SEM DEFINIÇÃO, PRIVILÉGIO DOS PUROS!

quinta-feira, 7 de julho de 2011

FDP SEM VERGONHA , ENGANAM QUEM?

Mete nojo esta "justiça"  futeboleira que, infelizmente, ainda continua sob a pata da LPFP e do sarnento porkista Fernando Gomes, em cumprimento dos desígnios do seu dono Gangster da Costa.
Volvidos tantos meses, só agora  a bandidagem que possuí as rédeas da vergonha dão por terminado o caso Benfica-Nacional, da época passada, "castigando" o corrupto apitadeiro e respectivos cães de fila com irrisórias suspensões enquanto foram céleres, e no mesmo caso, em castigar Jorge Jesus com 11 jogos de suspensão e uma boa maquia a favor dos cofres da corrupta LPFP.
Antes de vos passar a notícia da farsa, pergunto:
«Aprovados os Estatutos  em consonância com o Regime Jurídico, para quando a passagem da justiça e da arbitragem para a Federação e porque não foi ainda marcada a data das respectivas eleições?».
Aqui vai a vergonhosa farsa:
Rui Costa (foto ASF)
Benfica-Nacional: Árbitro Rui Costa suspenso por omitir informação.

O árbitro Rui Costa foi suspenso por dois jogos pela Comissão Disciplinar da Liga de Clubes, por não ter prestado todas as informações sobre os desacatos que se verificaram após o jogo da última época entre Benfica e Nacional, no Estádio da Luz. 
Para além do juiz da Associação de Futebol do Porto, também os assistentes Serafim Nogueira e Tomás Santos foram punidos com dois jogos de suspensão. O quarto árbitro Hélder Malheiro cumprirá uma partida de castigo.

As punições enquadram-se no artigo 159.º do Regulamento Disciplinar, que prevê que «os árbitros e os árbitros assistentes que omitam deliberadamente nos seus relatórios factos ocorridos antes, durante ou depois do jogo, ou, solicitados a informar a entidade competente, o não façam, serão punidos com suspensão de 1 a 6 jogos».

O jogo entre Benfica e Nacional, que os encarnados venceram por 4-2, ficou marcado pela confusão que se gerou no relvado do Estádio da Luz, após o apito final de Rui Costa.

O treinador do Benfica, Jorge Jesus, e o jogador do Nacional, Luís Alberto, desentenderam-se e deram origem a uma troca de empurrões entre elementos das duas equipas.

A Comissão Disciplinar da Liga puniu o treinador com 11 dias de suspensão, enquanto ao jogador foi aplicado castigo de 30 dias.

6 comentários:

karlos disse...

E que dimensão maior podemos alcançar do que vencer a indiferença,é a hipocrisia?

somos e seremos sempre os maiores quer com estes espinhos ou com as facadas nas costas ..

viva o Benficaaaaaaaaaaa.

Manuel Oliveira disse...

Amigo Joseph, nem de propósito, hoje foi pedido pela Federação para serem marcadas as novas eleições o mais rápido possível. Li no Record!
O Jesus apanhou 11 dias e não 11 jogos, eheheheheh.

Um abraço.

Manuel disse...

É uma vergonha a justiça em Portugal. Mais do que uma vergonha, é um autêntico insulto e uma afronta aos portugueses!

Paga com o dinheiro dos contribuintes, seve para defender corruptos, mafiosos, chico-espertos, ladrões e saqueadores dos cofres públicos!

Joseph Lemos disse...

Foi isso, 11 dias.Lapsos.
Obrigado Manuel

Lúcifer disse...

NEM DE PROPÓSITO
Os Contratos são todos nulos (Rui Cartaxana)
O ex-presidente do Benfica Vale e Azevedo – e aqui não está em causa o seu diversificado registo criminal – tinha fundamentadas razões jurídicas e legais para denunciar, como fez, os contratos de cedência dos direitos de transmissão do clube à empresa Olivedesportos.
Esses contratos eram, e continuam a ser hoje, nulos e de nenhum efeito, pelo que qualquer clube que tenha contratado essa cedência de direitos à referida empresa pode denunciá-los. Quem o afirma por unanimidade e revogando a sentença de uma 1ª instância é o Tribunal da Relação de Lisboa, por acórdão de 2/11/2000, que diz:
I Os chamados direitos televisivos - direitos de captar e transmitir imagens pela TV – só podem ser adquiridos e exercidos por quem estiver legalmente licenciado a exercer a actividade de televisão (artº 38. Nº7, da Consituitção e Lei 58/90 de 7/9.
II É nulo por imposssibilidade legal e por ilegalidade de objecto o contrato em que um clube de futebol transfere para uma empresa não autorizada a exercer a actividade o direito de captar e difundir imagens de um espectáculo de futebol. (…) Assim, o contrato referido no ponto II é também nulo porque o seu objecto é contrário à ordem pública – artº271, nº 1, do Código Civil.
E ainda sobre a cedência de tais direitos a outrém, ainda que o mesmo direito seja livremente transmissível pelo seu proprietário – o clube de futebol organizador do espectáculo – “o seu adquirente só pode ser uma entidade legalmente aurotizada a exercer a actividade de televisão”.
Em resumo, tudo depende de a Olivedesportos ser, e não é, um operador de televisão! Estas citações são uma tentativa de, cordialmente, esclarecer o ilustre directo da “GQ” e colunista do “Record”, Domingos Amaral, que sobre o tema levantou uma série de perguntas inteligentes.
Em resumo: 1º, a televisão é, e tende a ser cada vez mais, um negócio de clubes; 2º, Vale e Azevedo não perdeu. No mínimo, demasiado tarde, já tinha sido corrido do Benfica, o presidente era Vilarinho, que já tinha, entretanto, chegado a acordo com Joaquim Oliveira. Foi com o clube de gatas e sem dinheiro, tendo de o indemnizar em milhões de euros, e “oferecer-lhe um novo contrato” que se fizeram essas negociações; 3º, bizarro é que quem domina o mercado, em regime de monopólio, seja a Olivedesportos, que um tribunal superior declarou parte ilegítima. Ou seja, os clubes hoje “não querem” receber dez vezes mais pelos seus direitos da TV e há 20 anos que a maior receita do futebol é arrecadada e manipulada por um único intermediário, que os tribunais dizem sem legitimidade para os adquirir sequer?

Joseph Lemos disse...

Pois é Lúcifer,como não está em causa o Registo Criminal,também o teu comentário nada tem a ver com o "post", mas resolveste,como sempre, dar uma de provocador. Nisso és mesmo muito fraquinho.

Por outro lado e no "post" anterior,aí sim,não só o Registo Criminal está em causa, como também o roubo a que o Benfica foi vítima e os seguidores do vígaro, tu,por exemplo,reclamam e afirmam que o Benfica é caloteiro.

Para tua informação, o clube tem todos os dados judiciais e outros relativos às vigarices do teu santo i "imaculado" senhor.
As provas estão lá mas isso não convém verificar,certo?

Quantoàs tuas/vossas pretenções de ressarcir o vigarista, venham as provas concretas como as que o Benfica possui contra ele.

Sem elas, todos os demais argumentos irão direitinhos para ao caixote do lixo reservado para o efeito.